Aécio Neves diz que posição do PSDB no governo é “questão superada”

O presidente licenciado do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse nesta quarta-feira (9), durante a reunião da Executiva Nacional do partido, que acontece na sede do PSDB em Brasília, que a divergência interna do partido em relação ao apoio ao governo Michel Temer é uma questão superada. Ele também falou sobre a nova chamada do partido na televisão, em que é dito que o PSDB errou.

“Essa questão está superada, não é a pauta do PSDB hoje. Cada parlamentar se manifestou na Câmara dos Deputados de forma absolutamente livre e de acordo com suas convicções. O que nos une hoje é o compromisso com as reformas. Existem divergências, mas são naturais. Nosso entendimento é que essa questão está superada”, disse.

O senador tucano afirmou também que enquanto Temer julgar necessário contar com os quadros do PSDB nos ministérios, o Palácio do Planalto terá “liberdade” para isso. Ao defender essa posição, Aécio ainda elogiou o desempenho dos ministros Bruno Araújo (Cidades) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores).

Questionado sobre se ficar ao lado do governo neste momento arranha a imagem do PSDB, o senador afirmou que não pensa nisso. “O PSDB, diferente do PT, que sempre colocou o interesse do PT acima dos interesses do país, nós colocamos o interesse do país. O nosso apoio ao governo Temer não foi um apoio em busca de popularidade, foi em torno de uma agenda. Eu próprio entreguei ao presidente Temer uma agenda com 12 pontos, desses 12 cerca de oito estão de alguma forma tramitando no Congresso Nacional”, exemplificou.

Sobra a chamada que vem sendo veiculada na televisão, com um “erramos do PSDB” para o próximo programa partidário, Aécio disse que não participou da elaboração e que acredita ser uma tentativa do partido de se reconectar com a sociedade.

“Na verdade, não participei dessa elaboração. Acho que é uma tentativa de uma reconexão do PSDB com a sociedade. Vamos aguardar o programa, vamos discutir ainda os textos que estão sendo propostos para o programa, mas eu acho que é uma tentativa do ponto de vista de comunicação de mostrar que além dos acertos que nós tivemos e não foram poucos, certamente alguns equívocos o PSDB cometeu”, afirmou o senador.

De acordo com o senador, o assunto será abordado pelo também senador Tasso Jereissati. “Tasso terá as melhores condições, já que deleguei a ele há algumas semanas essa condição”, completou.

Conforme Aécio a reunião da executiva tem o objetivo de iniciar uma transição no PSDB. “Indiquei o senador Tasso como presidente interino do partido nesta transição. E o objetivo e que nós iniciemos imediatamente, através do ITV e de outros organismos internos do PSDB, principalmente os nossos movimentos setoriais, uma ampla discussão de renovação do nosso programa. É uma necessidade urgente já que o programa do PSDB remonta os tempos da sua fundação e o Brasil mudou, o mundo mudou de lá para cá”, explicou.

O senador afirmou que a transição acontece de forma “absolutamente pacífica”. “Continuarei ao lado do senador Tasso e da Executiva, contribuindo para que nos apresentemos o mais rapidamente possível novamente como o partido mais apto a liderar um grande tempo de mudanças estruturais no país”, afirmou Aécio. O senador também afirmou que a sua proposta é de que já saia uma indicação do pré-candidato do PSDB à Presidência da República.

A reunião tem as presenças de nomes como Aloysio Nunes, Bruno Araújo e senador José Serra (PSDB-SP). Mesmo estando em Brasília para audiências com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Senado, Eunício Oliveira (PMDB- CE), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, não compareceu à reunião.

Comentários