Ao celebrar os 90 anos da Federasul, Simone Leite atesta a importância de resgatar a grandiosidade do RS

Ao circular pelo quarto andar do Palácio do Comércio na manhã desta quinta-feira (07) mostrando a convidados as novas instalações que a Federasul passa a ocupar a partir de agora, em uma sede administrativa totalmente adaptada às suas necessidades, Simone Leite sinaliza seu otimismo, sublinhado por muita determinação e ações firmadas com decisões que marcaram seu primeiro ano de gestão à frente da entidade, com alguns diferenciais. O primeiro deles está no ineditismo já que ela é a primeira mulher, e eleita, a ocupar a presidência da Federasul, sucedendo a 25 outros presidentes, numa trajetória de 90 anos. A separação da Federasul da ACPA (Associação Comercial de Porto Alegre) é outro ponto que determinou para ambas as entidades maior autonomia e espaço para diferentes voos. No caso da Federasul, a mudança vem atrelada ao próprio slogan que exibe: “um renascer aos 90 anos”.

As novas instalações estão associadas à identidade própria que a entidade ambicionou desde então, preservando o local que ocupa desde 1940, atrelado a sua tradição e história, porém “em um espaço moderno, transparente e democrático”, como atesta Simone Leite, com entusiasmo. “Moderno pelas tecnologias que estão disponíveis, transparente como é nossa gestão e democrático porque resulta de uma alteração de nossos estatutos, que possibilitou dar poder às nossas entidades associadas que terão aqui um ponto de encontro”.

Em uma área de 600 metros quadrados, a nova sede administrativa da Federasul que foi concluída em seis meses, oferece aos filiados e ao mercado três salas de reuniões, uma delas comportando até 70 pessoas, um auditório com capacidade para 150 pessoas, sala da presidência, cafeteria e sala administrativa. O investimento foi na ordem de 980 mil reais, através de recursos próprios e parcerias. “Não medimos esforços para concluir a obra neste ano em que a Federasul completa 90 anos”. Simone Leite também menciona a saúde financeira da entidade que representa. “Hoje, totalmente superavitária”. São 167 entidades filiadas, espalhadas pelo RS, além da oferta de produtos e serviços e outras atividades que integram seu portfólio e que geram receita. “É um associativismo voluntário e no momento o maior sistema de entidades com número de filiados e capilaridade do nosso Estado”, diz ela.

Numa via de mão dupla, a entidade ganha e oferta relevância ao seu quadro associativo ao se fazer presente praticamente em todas as discussões relacionadas ao desenvolvimento do RS, dando eco a sua voz sobre os principais debates e temas que permeiam a sociedade como um todo. Um trabalho ancorado na demanda das lideranças espalhadas pelo território gaúcho e que precisavam ser ouvidas. “Somos uma voz única representando todos os segmentos econômicos, incluindo associações comerciais, indústria, serviços e agronegócio de cada município”.

Para 2018 os planos da Federasul passam por “resgatar a grandiosidade do nosso Estado. Estamos preocupados com nossa situação pois geramos arrecadação.Nosso silêncio é nossa omissão. Queremos mais proximidade com a comunidade. Nossa bandeira no próximo ano será a voz ativa em todos os âmbitos da sociedade. Isto se faz com trabalho bem-feito e moralidade nas relações, não existe outra maneira de fazer isto se não através do empreendedorismo. Precisamos de mais agilidade, vontade política”, reitera, ao mencionar o forte trabalho de interiorização que a Federasul vem realizando, “com muito engajamento, motivando nossos líderes a participar da política”. (Clarice Ledur)

Comentários