Irmãos são conduzidos para a Polícia Federal após tentativa de fraude no Enem em Minas Gerais

FONTE: O SUL – http://www.osul.com.br/

Dois irmãos, de 18 e 21 anos, foram conduzidos para a PF (Polícia Federal) na noite desse domingo (5), suspeitos de fraudar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), em Montes Claros, Minas Gerais. A Polícia Militar foi chamada pela coordenação da aplicação do exame na Escola Estadual Felício Pereira de Araújo, no bairro Sumaré, e registrou um boletim de ocorrência; o irmão de 21 anos foi ao banheiro enquanto o outro, de 18, que estava sentado na fileira ao lado da carteira do irmão, trocou os cadernos. Um candidato que estava na sala viu a troca e reportou ao fiscal de prova.

A tentativa de fraude aconteceu no momento em que o fiscal acompanhava o candidato até a porta da sala para ele ir ao banheiro, por volta das 18h15min. O irmão que trocou as provas disse à coordenação que ele é estudante de medicina. Os dois candidatos foram levados para a delegacia com os cadernos de prova, folhas da redação e gabarito.

A Polícia Federal informou que os irmãos foram ouvidos e liberados. “Foram feitas as oitivas de todas as pessoas envolvidas – fiscal, coordenação, militares e candidatos – e os irmãos confessaram que houve a troca de caderno, mas alegaram que foi por engano, em um momento em que as provas caíram no chão. A fraude não chegou a se concretizar porque não houve a efetivação da troca de gabarito; o inquérito foi instaurado e os envolvidos foram liberados”, explicou o delegado do caso, Marcelo de Freitas.

Surto

Em Goiás, um candidato que realizava o Enem neste domingo “surtou” e saiu correndo com o caderno de questões e o cartão de respostas uma hora antes do horário permitido para sair com a prova, na cidade de Senador Canedo.

O candidato insistia “que os aplicadores explicassem o quesito” de uma questão e foi levado para a coordenação, onde continuou a pedir explicações, informou o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão responsável pelo exame.

Ao saber que seria eliminado, ele “fugiu com a prova e com o cartão-resposta” por volta de 17h05min — quase uma hora antes de 18h, a partir de quando os candidatos podem levar o caderno de questões para casa.

A ocorrência foi uma das três consideradas graves pelo Ministério da Educação, mas não configura vazamento do Enem. Trata-se, segundo o Inep, de “descumprimento das regras do edital”.

O primeiro dia do exame terminou com 273 eliminados — 264 por descumprimento de regras de edital (como portar equipamentos eletrônicos, sair antes do horário permitido, entre outros) e nove flagrados em detectores de metal. Em 2016, no primeiro dia de prova, esse número foi de 3.942, segundo o ministro Mendonça Filho.

A taxa de abstenção no primeiro dia de prova foi de 30,2%, o que representa 2.033.590 milhões de faltosos do total de 6,7 milhões de inscritos, segundo dados preliminares do Inep. Nos dois dias de prova de 2016, a abstenção média foi de 29,19%. A mudança é estatisticamente irrelevante, mas considerada alta para o governo.

Comentários