O governo vai diminuir para menos de 40% a sua participação na Eletrobras, diz ministro

FONTE: O SUL – http://www.osul.com.br/

O governo federal vai diminuir a sua participação na Eletrobras para menos de 40%, afirmou nesta segunda-feira (06) o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, em um evento com empresários espanhóis na embaixada do Brasil em Madri. Atualmente, a União possui pouco mais de 60% da empresa.

A intenção de privatizar a Eletrobras foi anunciada pelo governo em agosto. A ideia é aumentar o capital da empresa, processo no qual o governo não participará. Com isso, a sua participação na Eletrobras diminuirá em relação ao patamar atual. Segundo o ministro, a operação deve acontecer no primeiro semestre do ano que vem.

“Pretendemos fazer da Eletrobras uma forte empresa mundial de energia. Ela precisa de investimento para crescer. Em breve sairá uma MP com os detalhes do processo de privatização da Eletrobras”, afirmou Oliveira. As declarações foram divulgadas por meio da conta do Ministério do Planejamento no Twitter.

Recentemente, o governo informou que que elevou de R$ 7,5 bilhões para R$ 12,2 bilhões a estimativa de recursos que ingressarão nos cofres públicos no próximo ano por conta do processo de privatização da Eletrobras. A nova previsão consta da mensagem modificativa do Orçamento de 2018, que foi encaminhado ao Congresso Nacional. O aumento de R$ 4,7 bilhões na estimativa de arrecadação com a privatização da Eletrobras ajuda a compensar a retirada do aeroporto de Congonhas do plano de concessões.

O governo esperava arrecadar R$ 5,6 bilhões com a concessão de Congonhas, mas desistiu de leiloar o aeroporto após pressões políticas durante a análise da segunda denúncias contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados.

O presidente Michel Temer marcou uma reunião nesta segunda com ministros e auxiliares para discutir o modelo de privatização da Eletrobras. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que quer apresentar a Temer os pontos sobre o tema discutidos pela pasta com os ministérios do Planejamento e Fazenda. Foram chamados para a reunião, entre outros, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira.

Conta de luz

Há dois meses, pouco depois do anúncio da privatização da Eletrobras pelo governo federal, o diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Romeu Rufino – nomeado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2013 –, anunciou que, com a medida, a tarifa de energia elétrica poderia ficar até 16,7% mais alta no País.

Há poucos dias, porém, a Aneel enviou ao Ministério de Minas e Energia um novo estudo. Nele, está incluída a redução de encargos setoriais com a privatização. Agora, como efeito pós-privatização, a Aneel estima redução entre 0,56% e 1,48% na conta de luz em 2019.

Comentários