O Rio Grande do Sul é o primeiro Estado a fornecer medicamento no SUS para a prevenção da aids

O Rio Grande do Sul é o primeiro Estado do Brasil a fornecer o Truvada, que previne a infecção pelo vírus HIV. A primeira distribuição do medicamento foi realizada no CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) do Hospital Sanatório Partenon, em Porto Alegre, a um morador da capital.

O medicamento passou a ser oferecido na rede pública no início de janeiro, integrando uma PrEP (estratégia de profilaxia pré-exposição) do MS (Ministério da Saúde). Esta é a primeira vez que o MS disponibiliza o tratamento no SUS (Sistema Único de Saúde), e Porto Alegre foi a única cidade gaúcha escolhida para integrar essa fase do programa.

Inicialmente, o Truvada está disponível para pessoas que não têm o vírus, mas que são de grupos considerados de risco para exposição ao HIV: homens que fazem sexo com homens, gays, travestis, transexuais, transgêneros, profissionais do sexo e casais sorodiferentes (quando um dos parceiros é soropositivo e o outro, não). O medicamento deve ser tomado diariamente e, segundo o MS, o uso correto reduz o risco de infecção por HIV em mais de 90%.

O uso da PrEP, no entanto, não substitui o preservativo nas relações sexuais. “O preservativo continua sendo a forma mais acessível de prevenção do HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis”, ressalta a coordenadora estadual de IST/Aids da SES (Secretaria da Saúde), Ana Lúcia Baggio.

Para ter acesso ao medicamento, o paciente pode se dirigir ao CTA (avenida Bento Gonçalves, 3722, em Porto Alegre), de segunda a sexta-feira, das 8h30min às 17h. Após o cadastro do usuário no serviço, são feitos avaliação, testagem e aconselhamento para HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, e avaliado o uso do medicamento ou de outras estratégias para prevenção.

Febre amarela no Litoral

A Secretaria Estadual da Saúde está recomendando a vacinação prioritária contra a febre amarela à população de 34 municípios, localizados no Litoral, que anteriormente não faziam parte da área de imunização e controle da doença.

Com essa medida, a vacinação será ampliada para todos os municípios do Rio Grande do Sul. A Estratégia adotada pela SES é preventiva em função do surto de febre amarela que atinge os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro Espirito Santo, Minas Gerais e Bahia.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, a cobertura vacinal no Estado atinge, hoje, cerca de 70% da população. ” Quem ainda não se vacinou pode procurar a unidade de saúde mais próxima da sua residência, de forma tranquila e sem pânico”, recomenda Gabbardo.

Ele salienta que “para as pessoas que estão planejando viajar para os Estados com surto da doença, a orientação é fazer a vacina dez dias antes da viagem” . Ele informa que quem já foi imunizado não precisa de dose de reforço. Gestantes, idosos e imunodeprimidos devem avaliar com seu médico os riscos e benefícios da imunização.

A vacina contra a febre amarela integra o Calendário Nacional de Vacinação e está disponível nas Unidades Básicas de Saúde.

Comentários